Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Palavra de Bailarina

Para além de dançar o Mundo, gosto de escrevê-lo

Sex | 21.12.12

Se realmente acabar...

Começo a ficar sinceramente farta das mensagens estupidas, das profecias idiotas e das teorias sem fundamentos sobre o fim do Mundo na página inicial do Facebook -.-'
De tal modo que nao resisti em deixar a minha contribuiçao xD Mas preferi que fosse no meu blog, ja que este me acompanha ja ha 6 anos (eu sei... WTF x))
Se o Mundo realmente acabar posso finalmente dizer que morro feliz e em paz. Se me perguntassem isto ha cerca de um mês não diria tal coisa, acreditem. Nao estaria com a minha família, nao estaria com os meus amigos e com o meu namorado. Não teria abraçado mil vezes os meus pais, não tinha visto a festa de Natal da escola do meu irmão e não tinha dançado com ele no palco, não tinha abraçado a minha melhor amiga assim que cheguei a Lisboa numa madrugada fria, não tinha dormido agarradinha ao Beto, não tinha viajado até Barcelona com a minha mãe, não tinha tido uma afilhada, não teria sabido que uma grande amiga minha estava grávida, não tinha voltado a dormir na minha cama, não tinha jantado e rido até mais não com os meus amigos, não tinha tido direito a mil beijinhos de despedida e as boas noites do namorado.
Costuma dizer-se que o tempo cura tudo. Eu não acredito nisso a 100%. Creio que o tempo apenas cura aquilo para que a nossa cabeça e coração estao preparados para serem curados. Portanto para mim, o tempo não cura tudo, mas cura muita coisa... E tem curado a grande velocidade ultimamente.
Por isso, sim... posso dizer que se o Mundo acabar, eu acabo FINALMENTE em paz comigo mesma.
Sinto que estou onde devo estar, que faço o que quero fazer, e que estou com quem devo e quero estar.
E se por acaso o Mundo não der de si hoje, fica o conselho: aproveitem para pensar "E se realmente hoje tivesse sido o meu ultimo dia?". Pensem no que ficou por dizer, no que ficou por fazer e no que não devia ter sido feito ou dito. Continuem a viver a vossa vida, mas aproveitem para pensar nela como uma segunda oportunidade de ser melhorada... e vivida.