Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavra de Bailarina

Para além de dançar o Mundo, gosto de escrevê-lo

Qua | 29.02.12

Os mandamentos de um bailarino

 
 


Hoje uma das nossas professoras da Faculdade afirmou:
"A verdade é que nós, bailarinos, não somos nem nunca vamos ser pessoas normais.
Senhora Professora, você diz e nós acreditamos. Ou melhor... confirmamos! x)

Bailarino que é bailarino:

Associa movimento a cada música que ouve, e dá-lhe VIDA;
- Deixa de sair com os amigos para ensaiar para um espectáculo ou treinar para uma competição;
- Vê o suor como um bom sinal, mas não por motivos estéticos. Vê-o como um sinal de bom trabalho;
- Orgulha-se de se sentir dorido. Prova o esforço;
Salta refeições. Não por querer emagrecer ou auto detruir-se, mas porque está tão embrenhado no que está a fazer, que se esquece de comer ainda que esteja com fome;
- Cura as suas próprias lesões. Médicos? Para quê? Só em caso de vida ou de morte. Se cada vez que nos lesionamos fôssemos ao médico, então em vez de um curso artístico, mais valia tirar medicina;
- Ouve uma música que conhece e começa a dançá-la no meio da rua. Por vezes esquecemo-nos que o resto do Mundo não está habituado a esse tipo de "explosões" x) (no metro então, não há melhor para nos chamarem de maluquinhos);
- Passa um dia inteiro no backstage quando a actuação é só à noite. Haja paciência;
- Não consegue estar descalço sem começar a esticar os pés e a levá-los à meia ponta. Torna-se um tique;
- Adormece em posição de Passé ou a fazer exercícios de stretch;
- Sente as batidas de uma música, contraíndo os músculos das pernas;
- Habitua-se a ouvir que não foi talhado para esta profissão. E aprende a desenvolver o sarcasmo como mecanismo de resposta;
- "Apanha" o cabelo e muda de roupa em tempo recorde. 5 segundos chegam.
- Desenvolve um mecanismo automático a estalar partes do corpo , e só se apercebe a anormalidade da situação quando as pessoas à volta fazem cara de nojo ou de pânico.
- Vê uma pessoa não-bailarina com um Coûtes de Pies perfeito e pensa: "PUTA.Que desperdício!"
- Não consegue estar sentado no chão sem se pôr a exercitar a flexibilidade;
- Perde uma unha do pé ou fica com a pele em carne viva, e vê isso como o "pão nosso de cada dia";
- Só se apercebe das suas extraordinárias capacidades quando vê uma "pessoa não bailarina" a dar um passinho de dança;
- Chega mais cedo ás aulas e/ou treinos só para aquecer e relembrar coreografias;
- Leva o conceito de "contacto físico" descontraídamente. O que as pessoas não-bailarinas consideram uma invasão ao seu espaço, os bailarinos acham normal;
- Habitua-se a ter todos os olhos centrados em si em determinados momentos.

ETC ETC ETC...
A verdade é que existe um ténue traço de loucura que nos distingue do mais comum dos mortais.
Especiais? Não. Diferentes. E na esmagadora maioria dos casos: felizes!


Enquanto respirar, vou continuar a defender a minha afirmação: Bailarino não é menos que um engenheiro, um advogado ou um médico. Pode não transformar esboços em casas, mas transforma estúdios e palcos na 2ª casa de muita gente; pode não defender a justiça com a Lei, mas defende pontos de vista com expressão e movimento; pode não salvar vidas, mas MARCA VIDAS.
Bailarino que é bailarino não precisa de mais nada enquanto estiver apto a fazer tudo isto.

Dom | 26.02.12

Next level




"A definição de possivel ou impossivel só depende da tua vontade." (afirmo eu!)


Estas pontas nem sequer são minhas, são da minha querida Maria Inês. No entanto, representaram como que uma passagem a outro nível. Aliás, todo o dia de ontem representou isso mesmo.
O espectáculo "A Fábrica" começa a tomar forma, os ensaios começam a acontecer (assim como os pés esfolados e as dores xD ossos do ofício), o segundo semestre reinicia amanhã e a Dança começa a tornar-se cada vez mais real na minha vida (I know... even more real. How is that possible?).
Depois de três horas e meia de ensaio, eu, a Débora e a Cíntia achámos que ainda não chegava e decidimos rumar à maratona de dança que estava a acontecer na Fullout Dance Academy, onde estavam a haver aulas de dança de variados estilos de hora em hora, for FREE.
Desde Zumba, a dança de musicais e contemporâneo, fizémos de tudo sem parar (de uma aula saltitávamos para outra) e só saímos de lá quando aquilo acabou.
Resultado: 9 horas e meia de dança, conhecimentos travados, técnicas de dança apuradas e DORES insuportáveis no corpo todo, que só permitiram que nos arrastássemos até casa com o incentivo umas das outras xD

Ainda não tirei a ideia de um dia tirar o meu tão desejado curso de Jornalismo, por amor à escrita e à profissão... no entanto, é em dias como o de ontem que tenho a certeza que não podia estar a fazer mais nada neste momento do que a dar uma oportunidade à paixão da minha vida.
"Dance life" é uma das mais dificeis, mais penosas e mais injustas vidas que podemos escolher. No entanto, também é das mais inspiradoras, recompensadoras e estimulantes que existe, e deve começar a ser urgentemente respeitada como tal.

PS: Essa fotografia tem muito que se lhe diga, se olharmos com atenção xD As pontas são lindas e perfeitas, mas os meus ténis estão SEMPRE presentes a representar o meu estilo-base e o meu verdadeiro incentivo: o Hip Hop «3
Seg | 20.02.12

Carnival mode






Grandes momentos com grandes pessoas «3

"A vida são dois dias, o Carnaval são três."
O meu foi quatro e ainda vou ficar uma semana de férias!
How lucky I am :p
Sab | 18.02.12

Last friday night :)






Não sou uma pessoa muito adepta das saídas à noite, a verdade é essa. Saídas "all night long" acontecem na minha vida uma vez por acaso, porque prefiro que se tornem inesquecíveis pela não-rotina que representam.
Ontem foi uma dessas noites.
O 2º ano do curso superior de Dança da FMH aproveitou o inicio do segundo semestre, a celebração do Carnaval e a despedida da nossa querida brasileira Maria Eugénia para ir jantar e dançar pelos arredores de Santos e Alcântara :)
Waiting for some photos!
I love you all, meus amores. Keep dreaming, keep dancing... together! «3

PS: Hoje segue-se a festa de Carnaval dos MG, e eu vou ser a empregada de limpeza francesa mais sexy do planeta x'D AHAHAH. Decididamente, quando bem festejado e aproveitado, adoro o Carnaval :)
Qui | 16.02.12

De volta à FMH



Pois é, parece que chegou mais um semestre na Faculdade de Motricidade Humana :) Isso significa mais trabalho, mais cansaço, mais dores no corpo, mais suor e ao mesmo tempo significa mais aprendizagem e mais conteúdos que me fazem estar mais perto de me tornar numa merecida licenciada em Dança «3

Muitos podem dizer/achar que é um curso com menos exigência que os outros, podem achar que é uma festa todos os dias, e que o esforço que temos de fazer não é nenhum.
Pois bem, enquanto vocês estão com os vossos cus sentados numa cadeira o dia inteiro, nós andamos a variar entre aulas práticas que requerem um elevado esforço físico e mental e aulas teóricas que pedem, tal como a vocês, que a nossa cabeça esteja no sítio certo. Portanto, podemos ter TALVEZ menos cadeiras teóricas para marrar, mas compensamos com as cadeiras práticas para as quais temos de TRABALHAR e TREINAR. Já para não falar que temos mais cadeiras por semestre que a maioria dos cursos.

Anyway... frustrações e indirectas à parte:

DESEJO A TODOS OS UNIVERSITÁRIOS UM ÓPTIMO SEMESTRE (sim, continuo a recusar-me a utilizar o novo acordo ortográfico) e desejo principalmente à minha turma de bailarinos lindos um enorme sucesso que possamos celebrar todos juntos no final :'D Cada vez mais perto do sonho! Love you all «3

PS: É normal no terceiro dia de aulas já estar a cair para o lado de cansaço? LOL

Pág. 1/4