Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavra de Bailarina

Para além de dançar o Mundo, gosto de escrevê-lo

Qua | 16.08.17

O trevo da sorte made by "Isa Handmade Jewerly"

Hoje venho falar-vos de uma marca que não conhecia até me chegar às mãos pela sua própria fundadora: A "Isa Handmade Jewerly". Trata-se de uma loja de bijuteria que, neste momento, vende apenas online, mas cujo trabalho é personalizado e feito à mão (como o nome indica). Tem aquele "gostinho especial" da bijuteria que ainda é feita com gosto e carinho, e não produzida em massa. A Isa é colega da minha mãe e tem paixão a este seu projeto, que creio ser o mais importante em tudo o que estejamos envolvidos.

O trabalho da Isa é diversificado, e o que mais gosto é que há sempre uma nova coleção que vai de encontro às épocas do ano em que nos encontramos, além de que a variedade de material utilizado é imensa. Como a própria Isa refere, cria bijuteria que "cria tendências, mas não deixa de ter aquele toque original, porque somos todas diferentes". Por isso... há para todos os gostos! 

Deixo aqui algumas fotografias com a minha nova pulseira e também fotografias da autoria da Isa, com algumas das minhas peças preferidas da coleção de Verão. Apesar da minha peça preferida ser a que tenho, perfeita para aqueles looks que vestimos cheios de "informação" e que pedem acessórios mais minimalistas, adoro as peças dela cheias de cor e com materiais diferentes. Consigo "cheirar o Verão" nelas :)

Em breve, surgirão mais novidades, por isso fiquem atentas! Podem ver todo o trabalho da Isa e todas as peças da coleção na sua página de Facebook Isa - Handmade Jewerly. Vale a pena ;) 

 

20863803_10154954372061985_1796452361_n.jpg

 

20883570_10154954372076985_2088130911_o.jpg

 

20883893_10154954372041985_1158732085_o.jpg

 

20883894_10154954372096985_1433773888_o.jpg

 

20904235_10154954372056985_1784688099_o.jpg

 

20884988_10154956700051985_1113072731_n.jpg

 

20915679_10154956699866985_1965315618_n (1).jpg

 

20937695_10154956699956985_898420252_n.jpg

 

20938745_10154956699906985_851375972_n.jpg

 

Ter | 15.08.17

O lenço vermelho (e boas energias)

Há uns dias atrás fui fotografada pela querida Margarida Pestana no LX FACTORY, local que já queria visitar há tanto tempo e ainda não tinha conseguido. Para além das fotografias maravilhosas que ela me tirou, foi um final de tarde agradável entre duas meninas-mulheres com uma tempestade de ideias sempre a fervilhar-lhes na cabeça e no coração. A Margarida tem parecenças comigo no que diz respeito à personalidade: Se não está satisfeita com o que se passa na sua vida, não se deixa ficar, tenta mudar o que sente que está errado, segue o seu instinto e trabalha (muito) para o que quer, sem ter de passar por cima de ninguém. Eu sou muito assim, e por isso adorei ser fotografada por ela, enquanto trocávamos impressões sobre tudo e sobre nada. Não satisfeitas, ainda fomos lanchar-jantar e continuar a conversa. É bom poder falar deste universo que é a blogosfera com uma pessoa tão positiva e que nos compreende, ou até mesmo de fotografia, de novos conceitos, de ideias que muitas vezes nos parecem disparatadas, deste vício que é querermos sempre mais e de nos desafiarmos a nós próprios. 

Mas sobre a Margarida falarei num único post, muito brevemente :)

Hoje trago-vos o primeiro outfit com que fui fotografada naquele final de tarde ventoso, e que se destaca pelo lenço vermelho que coloquei, dando toda uma outra irreverência ao look. Por vezes basta um acessório para dar toda uma outra dinâmica ao que vestimos e marcar pela diferença. 

Espero que gostem tanto das fotografias quanto eu :) 

 

Joana-Duarte-4.jpg

 

 

Joana-Duarte-18.jpg

 

Joana-Duarte-22.jpg

 

Joana-Duarte-26.jpg

 

Joana-Duarte-11.jpg

 

Joana-Duarte-28.jpg

 

Joana-Duarte-19.jpg

 

Joana-Duarte-32.jpg

 

Joana-Duarte-44.jpg

Joana-Duarte-33.jpg

 

Joana-Duarte-48.jpg

 

Joana-Duarte-46.jpg

 

Joana-Duarte-52.jpg

 Top: Mó

Jeans: Zara

Ténis: Zara

Lenço vermelho: New Yorker 

Colar caveira mexicana: Made to ENVY

Aneis de prata: Pandora

Escrava dourada: Alex and Ani (+) Energy

Pulseira de couro roxa: Pandora 

Pulseira preta com conta de prata: Horas de Ouro

Relógio: Casio

Sab | 12.08.17

O que é que estás a fazer à tua vida? - PALAVRAS DANÇADAS #3

palavras dançadas.jpg

 

O que é que estás a fazer à tua vida? Porquê essa inércia, essa falta de variação na velocidade? Permaneces parado, mas não tenho a certeza em quê. Parado no tempo, nas emoções, na tua própria existência… parado, simplesmente. Mas engana-te, se achas que os outros também estão parados. Os outros não. O tempo não. O tempo não espera por ti, é atarefado e principalmente egoísta. O tempo tem a sua velocidade, e não vai diminui-la para reentrares na corrente ao teu ritmo. Ou entras ou não entras. A escolha é tua, o tempo não quer saber. Mas eu quero.

O que é que estás a fazer à tua vida? Estás tão cego que te vês sozinho nesse quarto, ainda que estejas rodeado de família e amigos que gostam de ti. Os teus olhos têm a visão turva por uma solidão que não existe. Estás há tanto tempo às escuras, que a luz que te tentamos dar encadeia-te. Abre os olhos, devagarinho. Habitua-te à luz, e vais encontrar-nos lá. Nós temos o mapa para fora desse quarto e a cura para essa cegueira. Só não temos a solução para essa inércia. Essa, só tu a podes encontrar. Para essa, só tu nos podes pedir ajuda e liderar a busca, qual caça ao tesouro cheia de peripécias. Nós vamos contigo. Mas tens de pedir, e principalmente, de querer. Querer amar, querer confiar, querer acreditar. Nós amamos, confiamos e acreditamos contigo.

O que é que estás a fazer à tua vida? Nada. Estás a deixá-la ir. Estás a deixar passar o pôr do sol fantástico do Verão, e as noites aconchegantes de chuva no Inverno. Estás a perder gargalhadas que levam às lágrimas, e até mesmo lágrimas que caiem poeticamente das faces emocionadas. Não consegues viver as conquistas dos que mais amas, nem ter o prazer de os ajudar a ultrapassar as adversidades (muitas delas, mínimas crises existenciais que só têm porque precisam de ti). Estás a deixar passar o cheiro do mar salgado, o riso das crianças, o vento do litoral, a sintonia do amor, o prazer de um livro na esplanada, o frenesim dos transportes públicos, as palmas no fim de um espetáculo, o barulho dos grilos numa noite de Verão,… Para quê ignorar os nossos cinco sentidos, se eles nos foram gentilmente oferecidos?

O que é que estás a fazer à tua vida? Onde estão os teus sonhos e objetivos? Onde está o que te move? As borboletas que outrora sentiste na barriga são agora traças na gaveta empoeirada onde encafuaste o teu futuro. Se te demoras, vais esquecer-te onde o escondeste. Tira o teu corpo do sofá e a tua cabeça da televisão e vai buscar tudo. A televisão só te dá a ficção, e tu precisas é de sonhos, mas dos teus, aqueles que começam por ser também fictícios, mas que contêm uma luz de realidade a fazer cócegas ao teu entusiasmo. Vai à gaveta. Esvazia-a e mete tudo em prática. Se não der certo, tenta outra vez. Não é assim que se aprende? Tentativa-erro. E não é assim que nos tornamos mais fortes? Temos de saber aceitar os fracassos para encontrar o caminho para as vitórias. Há algo que dê mais gozo do que isto? Tu sabes que não. Soubeste um dia. Tagarelaste sobre isso, vezes sem fim. Divagaste comigo, em tempestades de criatividade mais estimulantes que cafeína. A vida só faz sentido quando lhe queremos dar um sentido. E não precisa de ser um sentido utópico, só precisa de ser o nosso.

Lembra-te que nunca estás sozinho. Sorri. Ganha novas borboletas na tua barriga. Acredita. Ama. Vive.

 

Autora: Palavra de Bailarina by Joana Duarte

Qui | 10.08.17

O espetáculo "Aladino de outras histórias" (finalmente venho falar dele!)

Muito prometi e fui deixando passar. A verdade é que também estava à espera das maravilhosas fotografias tiradas pelos fotógrafos requisitados, da João Nogueira Photography .

Tal como a seguir ao espetáculo da "Cinderela de outras histórias", o primeiro que fiz desta dimensão, as palavras têm dificuldade em sair-me para o teclado sobre o "Aladino", correndo o risco de não fazerem justiça a toda a intensidade e orgulho sentido.

A verdade é que, como já escrevi aqui anteriormente, Maio e Junho não foram meses nada fáceis. Juntaram-se algumas tragédias pessoais, a muito trabalho a nível académico e também muita pressão a nível profissional. Sabia que tanto eu como os meus alunos tínhamos trabalhado para o espetáculo do "Aladino" com um esforço de outro mundo mas, ainda assim, a pressão que sentia era a de desiludir os presentes espectadores. De não igualar ou superar o da Cinderela. De fazer asneira no "durante", atrás ou em cima do palco, devido ao cansaço extremo.

19656913_1898595623747227_1748258707403742065_n.jp

Fotografia de Don Bellony Abel Pereira

Mas no final de contas, correu tudo como todos queríamos que corresse. Bem, fluidamente, com todas as estrelinhas alinhadas para chegar àquele momento em cima do palco e fazer-me chorar de alívio, de felicidade, de orgulho, de vê-los dançarem, trabalharem em equipa mas também divertirem-se a contar à nossa maneira uma história que vem de há tantos anos e de tão longe.

Aladino_479.jpg

Este "Aladino de outras histórias" foi mais desafiante do que a Cinderela em termos de enredo. O cuidado que tive de ter foi não o fazer cair no mesmo enredo e nos mesmos tipos de cenas em cima de palco, ainda que quisesse manter o dueto entre as personagens principais. 

Aladino_235.jpg

Aladino_247.jpg

Aladino_250.jpg

Aladino_258.jpg

Também foi mais complexo no que diz respeito aos figurinos. Uma vez que contaríamos uma história bem Oriental, queria roupas mais vivas, ainda mais brilhantes, com cores quentes, umas mais fiéis às personagens do filme da Disney e outras nem por isso. 75 alunos, e mais de 5 tipos de figurinos para muitos tipos de corpos. Muitos metros de tecido, de linha, de elástico e sabe Deus mais o quê. Senti muitas vezes que era preferível dormir na retrosaria. Não foi fácil, e irei agradecer eternamente as ajudas que tive.

Aladino_057.jpg

Aladino_062.jpg

Aladino_146.jpg

Aladino_156.jpg

Aladino_093.jpg

Aladino_384.jpg

Aladino_150.jpg

Aladino_219.jpg 

O "Aladino" foi também mais difícil a nível de coreografias. Aumentei o nível de todos os grupos e fi-los trabalharem o dobro (aos mais velhos, o triplo). Ainda tive de ter em conta as músicas de hip hop com alguns ritmos e influências orientais sem chegar ao limbo da piroseira. Creio que consegui, e eles conseguiram encarnar essas pequenas fusões nos seus passos.

Aladino_073.jpg

Aladino_086.jpg

Aladino_096.jpg

Aladino_120.jpg

Aladino_128.jpg

Aladino_145.jpg

Aladino_330.jpg

Aladino_169.jpg

Aladino_229.jpg

Aladino_408.jpg

Aladino_426.jpg

Aladino_430.jpg

Aladino_431.jpg

Aladino_474.jpg

 Aladino2017_008.jpg

Outra diferença da "Cinderela" de 2016 para o "Aladino" de 2017, é que na Cinderela eu dancei um solo enquanto passavam as fotografias tiradas aos alunos no decorrer do ano letivo, e este ano, após a passagem das fotografias terminar, dancei um solo e na mesma música dois pequenos duetos: um com a Cinderela e outro com o Príncipe. No final da coreografia "passaram o testemunho" ao Aladino e à Jasmin deste ano. O difícil foi não chorar. Não deu. Chorei, dancei e suei ao mesmo tempo. Foi um início intenso que, segundo os que assistiram, foi sem dúvida marcante. Não tinha como não o ser, uma vez que a música foi a da Mariza "Melhor de mim".

Aladino_011.jpg

Aladino_023.jpg

Aladino_025.jpg

Aladino2017_043.jpg19510542_10203078822808858_2304714213624608005_n.j

19554967_1966712033586262_9223161170922976355_n.jp

19260541_1898592273747562_328147793502613040_n.jpg

Três últimas fotografias de Don Bellony Abel Pereira

 

Foi maravilhoso e, creio eu, superou as expectativas. Qual o problema disso agora? Superar no ano seguinte. Mas é um desafio que abraço com muito entusiasmo, porque cada vez que crio estes espetáculos e vejo-os a ganhar vida graças a miúdos maravilhosos como os "meus", sempre que os sinto entusiasmados, movidos, inspirados como eu...sei que estou no sítio certo a fazer o que é certo.

19642355_1966712150252917_1496077846606193869_n.jp

Assim que acabou o espetáculo (literalmente, assim que as cortinas fecharam) muitos dos meus alunos me vieram perguntar qual seria o filme da Disney do próximo ano. Eu já sei, e já lhes contei. Para vocês que me estão a ler... aguentem-se só mais um bocadinho :) 

Deixo-vos o espetáculo na íntegra filmado, que podem visualizar neste LINK.

 

 

Ter | 01.08.17

Cinco situações irritantes e/ou embaraçosas na piscina

Quem não adora ir à piscina durante o Verão? Mesmo quando não há possibilidade de se ter uma em casa (tipo, 90% das pessoas, arrisco-me a afirmar), as piscinas públicas fazem-nos as delícias de dias com amigos, com a família ou até mesmo sozinhos, para relaxar.

Acontece que, como em tudo na vida, há situações irritantes ou até mesmo embaraçosas a que nos sujeitamos quando nos encontramos num sítio destes. Já me aconteceu a mim ou a conhecidos cada um destes pontos que irei referir abaixo. Será que conseguem identificar-se com algum deles?

1 - A molha involuntária.

Estarmos a tentar entrar "de mansinho na água" (traduza-se, ainda temos apenas água pelos pés ou, na loucura, pelo joelho), e uma criancinha engraçada (poderei estar também a referir-me a adultos idiotas) resolve fazer uma bomba (ou um mergulho mal feito) mesmo, mesmo, mesmooooo ao nosso lado. Resultado: ficamos imediatamente (e involuntariamente) molhados, cheios de frio, sem vontade de entrar na água e com desejos um tanto ou quanto homicidas (por exemplo, imaginar o engraçadinho da bomba a tentar fazer o mesmo numa piscina que afinal não tem água... ou imaginá-lo a escorregar antes de conseguir chegar lá dentro. Só coisas bonitas.)

 

2 - O desfile dos pinguins.

Enquanto estamos descontraídos na nossa toalha/espreguiçadeira ou dentro de água está tudo muito bem. Mas o desfile de ida e volta entre esses dois postos é sempre composto por uma cambada de pinguins e "ais-uis". Isto porque esse caminho é, a maior parte das vezes, de uma pedra que eu gostava de saber quem escolheu para um espaço daqueles (que magoa os pés descalços como o caraças), ou feito daqueles azulejos que nos fazem sentir que afinal enganámo-nos no caminho e fomos parar à pista do gelo: escorregadio até mais não. O resultado são pessoas a tentarem ser cuidadosas e subtis, o que creio que quando estamos em trajes menores, funciona sempre com uma elevada taxa de insucesso. Passinhos pequenos, passinhos apressados, passinhos lentos mas com os pés quase colados... e juntamente com este "pinguin walk" é ver mamas a dançar a lambada nos biquínis da moda, banhas a saltar por todos os lados, corcundas nas costas como se o ato de as curvarmos nos amparasse uma possível queda, e braços ao lado do corpo, abertos em demasia ou colados ao tronco a tentar manter o equilíbrio do resto. Uma animação. 

 

3 - A cueca pesada.

E quando resolvemos que sair da água pela escada é para os fracos e subimos à força de braço pela borda? É de uma proesa sem explicação, principalmente porque temos as mãos demasiado ocupadas a amparar a subida e não temos nada para amparar a cueca do biquini que desliza cu abaixo com o rego a fazer "cucu" aos restantes nadadores. O que é que se faz? Sobe-se mais depressa, ampara-se a cueca só depois de nos encontrarmos fora da água e rezamos para que ninguém tenha visto o "mealheiro". É toda uma classe.

 

4 - As pessoas sem noção.

Há vários tipos de "sem noção" sobre os quais poderia falar aqui. Aliás, dava quase para um livro: 

» Os sem noção de espaço: os desconhecidos que se deitam literalmente ao nosso lado na toalha (só falta a conchinha);

» Os sem noção da pontaria: conseguem sempre fazer uma "bomba" para dentro de água tendo como amparo da queda a nossa pessoa. É todo um abalroar com ciência;

» Os sem noção do barulho: os que estão com um pequeno grupo mas falam como se estivessem a discursar para todas as pessoas que se encontram num raio de 30 km's. Tenho cá pra mim que fazem falta no mercado do Bolhão;

» Os sem noção de civismo: que fumam, e fumam e continuam a fumar encostadinhos na espreguiçadeira, de olho fechado, sem ver que o fumo está a ir diretamente para a narina de outra pessoa;

... and on, and on, and on

 

5 - O nadador salvador adormecido ou engatatão.

E quando existem crianças descontroladas a entrar-sair-saltar-correr na piscina, ou algum idiota está a agarrar na namorada que tem frio para a empurrar para dentro de água sob o risco de se espetarem os dois no chão, ou quando estão a acontecer mil coisas que, de acordo com as regras, são proibidas...onde está o nadador salvador? A mandar o seu charme às polacas que acabaram de chegar, claro; Ou a olhar discretamente (pensa ele) para o telemóvel. Ou a tombar a cabeça, adormecido, por detrás dos seus óculos bem escuros. Já dizia o outro que o ofício mais difícil de dominar é o de não fazer nada.

 

Lembram-se de mais alguma situação irritante ou embaraçosa que aconteça nas piscinas? Partilhem nos comentários :) 

20615065_10154917498606985_1192442307_o.jpg