Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Palavra de Bailarina

Para além de dançar o Mundo, gosto de escrevê-lo

Qua | 21.02.18

Amor, vou casar contigo #6 - Como planear um casamento sem perder a cabeça

O dia do nosso casamento é um momento super feliz e (esperamos) único na vida, por isso merece ser gerido e organizado da melhor maneira possível.

No entanto, também deve ser um processo “saboreado”. Para isso, há que manter minimamente a calma, que acreditem, será fácil de perder. Eis algumas dicas provenientes da minha experiência até agora (a cerca de 4 meses do dia C já me sinto quase pró, acreditem):

 

- Tratar dos grandes detalhes com antecedência:

As pessoas riram-se de mim (incluindo o noivo) quando eu disse que queria escolher a Quinta com um ano e meio de antecedência. “É muito cedo” ou “ainda nem sequer abriram as agendas para essa altura, de certeza”. Pois ficam a saber que, para quem tem um mês específico ou uma época definida para casar, é com essa antecedência mesmo que se devem dirigir às quintas e selecionar uma. Quando fomos a marcar a Quinta, já nem sequer havia a data que pretendíamos em Junho. Só para o fim de semana anterior ao que queríamos OU para Outubro de 2018. Note-se que fomos marcar a Quinta em Janeiro de 2017.

Se casam pela igreja, é outro grande detalhe a tratar com antecedência. Pelo menos para saber quando abrem a agenda. Há igrejas que a abrem em Outubro (após a época de maior afluência dos casamentos, que é entre Junho e Setembro) ou apenas em Janeiro, no início do novo ano. No nosso caso (meu e do João), a Igreja que queríamos (onde os meus pais casaram) abria a agenda em Outubro mas não nos aceitou por não sermos da localidade (tema que dava um único post e sobre o qual nem me quero alongar). Felizmente, a segunda igreja selecionada abriu em Janeiro. Como sabíamos, fomos lá de imediato e não corremos riscos de ficar sem ela.

 

- Estabelecer um budget e prioridades

Se há coisa importante na organização de um casamento, é gerir o dinheiro gasto no mesmo. Porque acreditem, é fácil perdermos a cabeça a adquirir pormenores para a decoração, a escolher um local para o copo de água acima das nossas possibilidades, a contratar uma maquilhadora mais cara porque gostámos mais do seu trabalho, a alugar um carro antigo para chegarmos à igreja em bruto cenário… e depois, não sobrar dinheiro para o que realmente importa.

Há que estabelecer prioridades. A nossa prioridade, minha e do João, eram as pessoas. Não deixar ninguém de fora da nossa lista por falta de possibilidades de as pagarmos. Por isso, o nosso casamento vai ser feito de uma forma que ou se ama ou se odeia, mas que até agora foi muito bem aceite pela maioria dos nossos convidados (depois do dia C, falarei sobre isso); Outra escolha que fomos "obrigados" a fazer foi escolher entre o transporte ou o registo fotográfico do casamento.  Na impossibilidade de alugarmos um carro XPTO (eu queria mesmo era uma pão de forma para levar os noivos e os padrinhos em total galhofa) e termos um excelente fotógrafo e videógrafo, optámos pelos dois maravilhosos profissionais que irão registar o nosso dia e vamos no nosso próprio carro; e por aí fora, no que diz respeito a estabelecer prioridades e um budget. Se nos mantivermos financeiramente organizados, não iremos sentir tantos receios.

 

- Escolher o vestido de noiva sem pensar nos estigmas

Há aquele estigma de que, quando vestirmos o nosso vestido de sonho, vamos chorar. Eu não chorei mas soube imediatamente que era aquele, senti-me linda e ao mesmo tempo desejosa de o poder levar para a rua… Mas nem sempre isto acontece! E sob o risco de não acontecer e acharmos que se passa algo de errado connosco (conheço quem se tenha sentido assim) mais vale começar a ver e experimentar vestidos com tempo, com calma, com serenidade e sem medos. Sim, sem medos. Experimentar vestidos de noiva pode meter medo, se formos com a pressão de sermos aquela pessoa que vemos nos programas de televisão, que escolhe, que chora, que tem a musiquinha lamechas a acompanhar, que faz todos os seus acompanhantes chorar e que no fim diz “I’m saying yes to the dress”. Come on! Somos todas diferentes, e eu que até sou uma lamechas do piorio, senti-me mais entusiasmada e com vontade de sorrir do que propriamente de chorar e abraçar alguém. Não há nada de errado convosco. Sintam o que tiverem de sentir, e permitam-se sentir tudo. Ah, e já agora... divirtam-se com o processo! Estamos no século XXI!

 

- Selecionar a cabeleireira e a maquilhadora antes sequer de elas abrirem a agenda para a nova época

Isto pode parecer um bocado “bridezilla”, mas a realidade é que se selecionarmos os serviços de que mais gostamos antes sequer de os podermos marcar, basta estarmos atentas à abertura das suas agendas e temos marcação garantida! E é um alívio ter esta parte despachada, acreditem... porque durante a restante organização do dia C, será um conforto lembrarem-se que pelo menos já estão entregues às mãos dos profissionais que escolheram para vos meter ainda mais bonitas para aquele momento. Não queiram deixar para último uma parte que irá contribuir para a vossa auto estima num dos dias mais especiais da vossa vida! 

 

- Selecionar um local para o copo de água já com catering e decoração incluída

Já lá vai o tempo em que as Quintas eram só mesmo isso… Quintas para alugar. Agora a maior parte já tem o catering e a decoração incluída (algumas até mesmo a animação) e são essas que vocês vão querer! Poderão ser vocês a escolher o que querem na mesma (se houver algo que o staff não têm disponível, poderão comprar vocês para complementar), mas já é uma ajuda preciosa não ter, por exemplo, de andar a contratar floristas e comprar as flores que estarão em não sei quantos centros de mesa; ou ter de alugar não sei quantas cadeiras para colocar no exterior para tornar o espaço mais confortável para os convidados. E isto leva-me ao ponto seguinte:

 

- Colecionar imagens inspiradoras no Pinterest

Ao fazê-lo, estarão como que a criar um portfólio digital que vos ajudará a clarificar sobre o tema que irão escolher, sobre o estilo que irão querer, sobre aquilo que quererão fazer. E em último caso, também poderão ajudar os organizadores da vossa Quinta a perceberem melhor aquilo que vocês pretendem!

 

- Comprar uma agenda de noiva

A minha madrinha de casamento (e também minha melhor amiga de infância) comprou-me uma “Agenda da noiva” pouco depois de saber que eu estava noiva, e acreditem que dá um jeitão! Estas agendas geralmente têm tudo organizado de modo a que vocês mesmas se consigam organizar, até mesmo as ideias, a lista de convidados, a lista de confirmações, … tudo! A minha é da “Cor Púrpura” e adoro.

 

- Não ter receio de pedir ajuda

Quando nos vemos neste papel de noivas, queremos tudo o mais perfeito possível. E se vocês forem como eu, estão “programadas” para pensar que se queremos uma coisa bem feita, temos de ser nós a fazê-la. Mas não… temos de aprender a confiar que as pessoas à nossa volta também querem o melhor para este dia e que, acima de tudo, estão cá para nos ajudar. No meu caso, tenho um noivo muito tranquilo a contrastar comigo, uma noiva sempre em stress, mas ainda que este equilíbrio seja positivo de existir, é sempre bom ter ajuda de fora. Não se façam de fortes, porque ninguém é de ferro!

 

- Não dar ouvidos a tudo o que é opinião alheia

Claro que, apesar do conselho dado no ponto acima, há que filtrar as ajudas e opiniões. Porque acreditem, poderão ser demasiadas e sem serem requisitadas. Haverá sempre qualquer coisa a dizer sobre tudo: porque ouviram dizer que a Quinta não presta, porque o padre daquela igreja é antipático, porque o teu vestido é demasiado decotado, porque o tema está muito batido, porque o penteado não combina com a tua cara, porque a igreja é longe da Quinta, porque o casamento é muito cedo/tarde, porque não juntámos X pessoas numa única mesa, porque não convidámos a Maria ou o Manel, porque os tons escolhidos para a decoração são feios… and so on. Tenham estômago e filtrem. Absorvam as opiniões que vos são dadas com serenidade e com intenção de vos ajudar. As que são atiradas para o ar como quem joga o bingo… cliquem no botão "delete" e sigam em frente. Nunca poderão estar todos satisfeitos. Mas vocês, noiva e noivo, deverão estar. É o que realmente importa.

 

- Relativizar e otimizar

Mesmo que sejas uma “control freak”, tenta capacitar-te de que nem tudo correrá como querias e que nem tudo estará como sonhaste. Mas o dia é vosso. E existirá, e serão felizes na mesma a vivê-lo. Trabalha para todos os pormenores com que queres “presentear” esse dia, mas não os priorizes. Se não estiverem de uma maneira, estarão de outra, e só tu irás notar a diferença.

 

- Pensar em vocês!

No final, o que importa são vocês. Felizes, unidos e prontos a entrar numa nova fase da vossa vida, fase essa que será com certeza acompanhada pelas pessoas de quem mais gostam, mas que acima de tudo é uma fase vossa. O vosso casamento. O vosso amor e a vossa cumplicidade. Não deixem que a tensão vos afete e vos intoxique. E se acontecer, respirem fundo e recomecem.

 

J & J - noivado-17.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.